sexta-feira, março 06, 2009

Baile de máscaras

Por que vivemos um eterno baile de máscaras? Tá ai outro questionamento eterno na minha cabeça, por que vivemos trocando máscaras, criando armaduras e defesas?

Quem aqui já não viveu aquela fase solteira, onde a pegação rola solta, mas no fim do dia, quando o travesseiro te abraça e você pensa: pô q m... tá faltando alguma coisa.

Por que é melhor dizer não, quando queremos dizer sim? Por que fingir entender e concordar quando somos contrários piamente aquilo que chega aos ouvidos?

As vezes tenho a impressão que a máscara que escolhi para o meu baile, é uma daquelas do Di Caprio, pesada, fechada e sufucante.

Tudo bem, viver joguetes e estratagemas até é divertido, eu particularmente gosto pacas, mas outro exemplo: a vida boa das micaretas... pô gosto muito de ir, não perco uma, é sempre mta zueira, bebemos absurdos, tudo é farra, a timidez passa longe... mas o que é aquilo senão um mar de solitários escondidos em máscaras dançando num carnaval de Veneza?

3 comentários:

dessahenrique disse...

Adorei o texto..diz mto sobre a vida das pessoas proximas
Saudadessss viu amore
beijossssss

AmnadaF. disse...

Que profundo Ju :|

Enfim.. É nóisss no trivela ehehe!
Bjoss te adoro *
Mandinha

Aninha disse...

Falou e disse! ;)

Beijoooo